quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

ALGUÉM QUE EU DESCONHEÇO.


“Tantas de mim”


Ás vezes sou preciso como a bússola
Em outras me perco na vastidão de mim.
Ás vezes sou asas imensas.
Em outras sou, chão raízes firmes.
Ás vezes sou âncora segura.
Em outras um barco a deriva.
Ás vezes sou um olhar calmo e sereno.
Em outras,todo o espanto nos olhos.
Ás vezes,taxativo sou o ponto final.
Em outra um mundo de reticências.
Ás vezes sou o doce do reencontro.
Em outras o amargo doce da saudade.
Ás vezes a calmaria das águas plácidas.
Em outras a ferocidade do mar revolto.
Ás vezes sou o céu azul e límpido.
Em outras,sou chuva torrencial.
Ás vezes sou cores vibrantes.
Em outras sou soturna palidez.
Ás vezes sou música contagiante.
Em outras,abissal silêncio se faz.
Ás vezes sou inteiro.
Em outras sou fragmentos.
Ás vezes sou trovas rimas e canto.
Em outras me calo.
Ás vezes demonstrando ser alguém que eu mesmo desconheço.
(LILIA)

Um comentário:

Denis disse...

É bom não sermos sempre iguais, porque nunca continuamos os mesmos, exceto o nosso caráter, quando o deixamos o mesmo.
Abraços!!